Televisão Digital Educativa

Modelagem de Conteúdos Interativos | Prof. Dr. Francisco Rolfsen Belda

Mapeamento

leave a comment »

Apesar de estabelecer os fundamentos e enunciar os critérios que definem as relações estruturais entre conteúdos educativos, as definições, sentenças e quadros que compõem o modelo descritivo não fornecem uma representação capaz de favorecer sua disseminação em circunstâncias mais amplas, diversificadas e informais de uso, conforme o perfil organizacional das comunidades de aprendizagem, tais como definidas no relato da pesquisa exploratória. Uma formulação complementar do modelo em uma série de esquemas visuais é, portanto, necessária para que públicos leigos e heterogêneos possam dispor de um mecanismo simplificado e intuitivo de consulta, que favoreça a assimulação dos elementos que o compõem.

A formulação visual deste modelo teve por base inicial e preliminar a realização de exercícios de modelagem com emprego de técnicas alternativas, realizados como forma de organizar alguns elementos que viriam a compor o modelo proposto, bem como testar técnicas e notações capazes de representar as estruturas, os requisitos e as características de conteúdo nele concebidas. Foram consultadas, também, avaliações comparativas sobre métodos e ferramentas aplicadas a atividades de modelagem, ainda que a maior parte dos estudos nessa área volte-se especialmente a processos de desenvolvimento de produtos e sistemas computacionais, com limitada aplicação em modelagens de conteúdo.

Benedictis, Amaral e Rozenfeld (2004) trazem contribuições relevantes ao classificar critérios para a análise comparativa de métodos e ferramentas usadas para a construção, apresentação, gerenciamento e análise de modelos, considerando o suporte propiciado a recursos de relacionamento e navegação, representação de atributos, uso de objetos e conectores, interface gráfica, controle de versões, busca, simulação, entre outros. A partir de uma análise de softwares, os autores identificam três classes de ferramentas: a) específicas para modelagem de processos; b) para representação genérica; e c) de apoio à apresentação. Eles avaliam que a escolha de um método e de uma ferramenta com esse propósito deve, no entanto, considerar aspectos específicos de cada projeto. Influenciariam, por exemplo, fatores como o nível de complexidade do modelo, sua forma de apresentação, a extensão ou abrangência do processo retratado, a equipe envolvida na modelagem e a disponibilidade de recursos para aquisição de ferramenta.

O primeiro teste de modelagem de nossa pesquisa consistiu na elaboração de um guia de referência para caracterização do processo de produção de conteúdos para mídias aplicadas à educação a distância, por meio de uma aplicação desenvolvida em formato de árvores-menu, com um conjunto estruturado de pastas que podem ser consultadas de forma seletiva, por expansão ou contração, ou mediante um dispositivo de busca, a exemplo dos sistemas de gerenciamento de arquivos usados em sistemas operacionais. Foram empregados códigos de marcação HTML (para estruturar o conteúdo em listas ordenadas) combinados com JavaScript (para condicionar a abertura das pastas) e PHP (para o mecanismo de busca). Esse mapeamento preliminar considerou aspectos de planejamento, desenvolvimento de conteúdos e avaliação da aprendizagem, listando práticas, tecnologias e padrões para codificação de conteúdo. Gerou-se, com isso, uma lista ordenada com 1.017 linhas de estratificação com navegação em interface visual, que pode ser consultada por meio do Apêndice C[1].

Tendo em vista os propósitos mais específicos de modelagem de conteúdos educativos para televisão digital interativa, foi inicialmente considerada a adoção de representações elaboradas na forma de diagramas de estrutura e comportamento baseados em notação de Unified Modeling Language (UML), sobretudo para a descrição de classes, atributos de conteúdos e seqüências para sua exibição sincronizada ou condicionada em programas interativos. De acordo com Booch et al. (1999), a notação UML, originalmente aplicada à engenharia de software, tem sido usada também para descrever entidades, relações e diagramas em áreas como telecomunicações e serviços baseados em internet. Uma das aplicações dessa notação a processos telecomunicacionais é apresentada por Lavagno e Selic (2003).

Os modelos de visão fornecidos pelos diagramas constituem perspectivas de um sistema complexo com o objetivo de auxiliar gestores e produtores de conteúdo para a tomada de decisões com maior clareza e eficiência. Dentre os recursos oferecidos pelos diagramas UML foram considerados especialmente úteis para a modelagem proposta o diagrama de estrutura de classes (empregado para a classificação dos formatos de conteúdos e dos atores do processo) e, dentre os comportamentais, os diagramas de atividades, seqüência e interação (empregados para a representação da exibição sincronizada de conteúdos multimídia). Uma extensão desse conjunto de notações poderia incluir outros diagramas, para uma visão alternativa do modelo.

Para o desenvolvimento deste trabalho, ponderou-se, no entanto, que o emprego estrito dos diagramas e notações específicas da UML não proporcionaria um instrumento favorável à disseminação do modelo junto a equipes multidisciplinares responsáveis pela produção de conteúdo audiovisual educativo em comunidades de aprendizagem e mesmo na maior parte das emissoras educativas e universitárias, dada a diversidade de sua formação e o limitado grau de documentação que caracteriza seus processos. Considerou-se que a necessidade de conhecimento prévio sobre critérios sintáticos próprios dessa notação desencorajaria sua consulta como instrumento de referência nesses processos colaborativos de organização de conteúdos, distintos que são das práticas mais rigorosas que envolvem a engenharia de software.

Giesbers et al. (2007), por exemplo, relatam alguns problemas concretos do uso de notação UML para modelagens educacionais decorrentes da dificuldade, mesmo entre especialistas, de interpretar corretamente diagramas formulados de acordo com essa linguagem formal. Os autores também relatam dificuldades envolvendo a obtenção de consenso sobre os critérios de emprego da notação em meio a processos colaborativos e descentralizados de decisão, aspectos que contribuíram para a decisão de descartar, no âmbito desta tese, o uso preferencial de UML como linguagem para a modelagem visual  da estrutura de conteúdos educativos de televisão digital interativa.

A revisão da literatura sobre métodos alternativos de modelagem com aplicação no contexto educacional levou-nos a estudar, testar e experimentar o uso de técnicas e ferramentas capazes de fornecer uma visualização mais direta e intuitiva da estrutura dos conteúdos representada neste trabalho, considerando possíveis adaptações dos conceitos, regras e classificações descritos no modelo para esquemas simplificados e genéricos de notação, que pudessem ser facilmente compreendidos por equipes com perfil não-profissional e em ambientes comunitários. Foi então considerada a utilização de mapas conceituais como método de modelagem, de modo a fornecer representações que combinassem texto e imagem de forma dinâmica, hipertextual, sintética e flexível.

De acordo com Novak e Cañas (2008), mapas conceituais são ferramentas gráficas para organizar e representar conhecimentos. Usados, sobretudo, em contextos educacionais (para aprendizagem, avaliação e planejamento, inclusive de currículos e conteúdos instrucionais) e, mais recentemente, também em estratégias organizacionais, de marketing e desenvolvimento de produtos, esses mapas têm como base de notação a composição de conceitos inter-relacionados por meio de uma palavra ou frase de ligação. Os autores definem conceitos como regularidade ou padrão percebido a partir de eventos ou objetos como forma de rotulá-los. As conexões lógicas estabelecidas entre eles designam proposições, que podem ser interpretadas como enunciados significativos acerca dos eventos ou objetos representados, formando unidades semânticas de acordo com estruturas hierarquizadas de apresentação. Conceitos e proposições formam, assim, a estrutura sintática essencial dos mapas conceituais.

Uma das vatangens apontadas do uso de mapas conceituais sobre outras técnicas de modelagem é a similaridade de seus esquemas de representação com o funcionamento do aparato cognitivo humano, que captura, interpreta e armazena conhecimentos por meio de associações significativas contextualizadas e de maneira inter-relacional. Os mapas são organizados sobre uma “questão focal” a partir da qual um conjunto de conceitos é sistematizado de forma a representar um “contexto” para sua abordagem (NOVAK; CAÑAS, 2008). O contexto estabelece um segmento temático, área de conhecimento ou perspectiva em que o problema focado será representado, delimitando o domínio ou abrangência do mapa. Conceitos mais gerais ou inclusivos são posicionados acima e então desmembrados a partir de relações de significação, interligando-se não apenas entre si, mas também em relação a outros mapas, grupos de conceitos e subdomínios de um mesmo mapa. Em tese, um conceito pode estar relacionado a qualquer outro conceito, o que torna a modelagem um exercício crítico de seleção e lapidação de inter-relações conceituais de modo a representar as proposições mais significativas que possam ser geradas por associação.

O desenvolvimento sistematizado de mapas conceituais, inclusive com sua integração a recursos colaborativos por meio da internet, é facilitado por meio do uso do software IHMC CMapTools, desenvolvido pelo Institute of Human-Machine Cognition, nos Estados Unidos (CAÑAS et al., 2004). Trata-se de uma ferramenta gratuita e de código aberto que provê uma série de recursos computacionais capazes de simplificar, aperfeiçoar e enriquecer a experiência de modelagem com uso desses mapas, inclusive com funcionalidades colaborativas a partir da integração de sua plataforma de trabalho à internet, permitindo que equipes dispersas cooperem de forma síncrona ou assíncrona no desenvolvimento de mapas comunitários e os publiquem em páginas que podem ser buscadas, acessadas, comentadas e modificadas a critério dos usuários.

O software é equipado com recurso drag and drop e permite a criação de conceitos e enunciados de conexão de forma rápida e intuitiva, além de agrupar e mover conjuntos e subconjuntos de objetos de modo a reestruturar dinamicamente sua disposição no mapa. Podem ser criados links entre conceitos ou conectores e recursos multimídia alocados no computador ou vinculados diretamente a endereços na internet. Conceitos podem estar, assim, associados a imagens, planilhas e documentos modelares de referência, conforme o conceito de “mapas conceituais cíclicos” e as teorias cognitivas que apóiam sua aplicação como instrumento de modelagem e representação do conhecimento (CAÑAS et al., 2004). A existência de vínculo entre um conceito/conector e um recurso é indicada por meio de um ícone que, quando selecionado, aciona a exibição de uma lista de recursos associados àquele objeto, servindo como índice de navegação complementar ao mapa. Mapas inteiros podem ser interconectados de forma a comporem coleções representativas e mais abrangentes sobre um determinado domínio ou tema, gerando o que se chama de “modelos de conhecimento” (NOVAK; CAÑAS, 2008).

É com base nessas técnicas associadas ao uso de mapas conceituais como modelos de conhecimento que se buscou aplicar o método e a ferramenta acima descritos na tarefa de formular uma versão visual do modelo estrutural de conteúdos educativos para a televisão digital. Os mapas foram criados de modo a fornecer uma visão sistematizada e associativa dos componentes de conteúdo, considerando as premissas descritas anteriormente e os princípios discutidos na revisão bibliográfica. Sua organização permite uma navegação interativa por meio de recursos hipertextuais aplicados sobre os principais elementos ou conceitos representados nos mapas, o que remete o usuário a outros mapas, textos ou arquivos complementares, em diferentes perspectivas ou níveis de detalhamento. Alguns conceitos podem ligar-se a planilhas e documentos de referência que orientam ou especificam o conteúdo ou processo retratado.

A concepção do modelo ora desenvolvido constituiu-se, por fim, como uma rede hipertextual formada por mapas conceituais, que pode ser consultada por produtores de conteúdo educativo e interativo de televisão digital através da internet, com acesso a recursos úteis na constituição de um referencial a ser aplicado ou adaptado às necessidades operacionais de cada processo. Em síntese, o modelo mapeia relações entre categorias, classes e regras para definição de vínculos e atributos de conteúdos, além de eventos básicos de interação.

Os critérios de organização de mapas conceituais foram aplicados neste trabalho considerando os seguintes parâmetros. Conceitos, representados por palavras ou expressões alocados dentro de blocos, expressam ou correspondem a elementos componentes do modelo ou suas derivações. Dados que descrevem, explicam ou definem esses conceitos foram incluídos nos mapas por meio de recurso de inserção de informações que permanecem ocultas sob um bloco conceitual e que se revelam quando o usuário pousa o ponteiro do mouse sobre o respectivo elemento, de forma a permitir uma leitura completa do modelo sem que seja necessário recorrer à sua formulação descritiva para o entendimento de definições sobre os elementos retratados. Também foi utilizado o recurso de nó como forma de unificar grupos de conceitos que podem ser desmembrados a partir de um elemento-chave, o que torna mais eficiente a ocupação de espaço no mapa e permite a abertura gradual e seletiva de seu conteúdo.

Como conectores, foram empregados verbos e preposições, mas também expressões genéricas quando capazes de favorecer o entendimento. Em alguns contextos, esses termos conectores designam vínculos funcionais entre conceitos ou elementos do modelo, tais como associativo (“utiliza”, “emprega”), instanciativo (“pode ser”, “abriga”), explicativo (“significa”, “portanto”, “logo”) e seqüencial (“leva a”, “provém de”, “aciona”). Já os recursos de link a partir de um conceito ou elemento podem vir a ser empregados de forma a estabelecer vínculos funcionais de tipo ilustrativo (com relação a uma figura ou gráfico, por exemplo) ou vínculos documentais de tipo referencial (fonte, bibliografia) ou remissivo (mapa, pauta, roteiro, formulário). Pode-se dizer, com isso, que os elementos conceituais que compõem o modelo manteriam conexões entre si conforme seus vínculos funcionais, ao mesmo tempo em que mantêm conexões a partir de si conforme seus vínculos documentais.

Por fim, vale dizer que a ferramenta IHMC CMapTools fornece soluções satisfatórias para a apresentação, exportação e publicação, na internet, desse modelo visual de conhecimentos sobre a estrutura de conteúdos proposta. Para isso são utilizados recursos da versão comum do software (que inclui funções de abertura gradual dos mapas e exportação em formatos diversos, tais como PDF, JPG, HTML, entre outros) ou da ferramenta complementar CMapServers, que suporta colaboração entre diferentes usuários com acesso direto aos mapas mediante regras de permissionamento controladas, seja na posição de editores, consultores ou usuários. Esse recurso permite não apenas a consulta aos mapas por comunidades geograficamente dispersas, mas também sua participação no aperfeiçoamento do modelo por meio de fóruns de discussão e anotações vinculadas aos mapas, com o intuito de promover o intercâmbio de conhecimentos e o compartilhamento de referências baseadas em mapas conceituais.


[1] Esta aplicação do guia de referências na forma de uma árvore-menu também pode ser consultada em hipertexto por meio do endereço www.edcasadaarvore.com.br/doutorado/arvore/.

Anúncios

Written by Francisco Rolfsen Belda

27/09/2010 às 01:26

Deixe um comentário

Preencha os seus dados abaixo ou clique em um ícone para log in:

Logotipo do WordPress.com

Você está comentando utilizando sua conta WordPress.com. Sair / Alterar )

Imagem do Twitter

Você está comentando utilizando sua conta Twitter. Sair / Alterar )

Foto do Facebook

Você está comentando utilizando sua conta Facebook. Sair / Alterar )

Foto do Google+

Você está comentando utilizando sua conta Google+. Sair / Alterar )

Conectando a %s

%d blogueiros gostam disto: